ROMAIN ROLLAND
CRÓNICAS DE AUTORES PORTUGUESES

Crónicas de Autores Portugueses

NO CENTENÁRIO DE ROMAIN ROLLAND
CRÓNICAS DE AUTORES PORTUGUESES

Das comemorações do centenário do nascimento de Romain Rolland é este livro o seu eco afastado. Mesmo assim ele ainda é uma voz a recordar a vida e a obra de um admirável escritor e de um grande profeta da paz. Profeta no seu mais lato sentido – predizer e lutar. Lutando e proclamando que a guerra não é uma fatalidade inerente à condição humana. Da trágica sangueira de 1914-1918, brotou da pena de Romain Rolland uma das mais belas e fraternas mensagens do espírito humano – as páginas, infelizmente atuais e vivas, de Au-dessus de la mêlée. Lição perene, do grande humanista francês: se a árvore da guerra dá frutos de ódio, de destruição e morte, também nela florescem rebentos de amor e de esperança.

Foi para celebrar essa mensagem de Romain Rolland que as editoras portuguesas do escritor (Edições Cosmos, Livros do Brasil e Portugália Editora) se associaram para reunir n um volume as onze melhores crónicas sobre o grande escritor francês e sobre a sua obra, publicadas na imprensa portuguesa no ano do centenário.

A crónica “Reflexões sobre o ‘Diálogo do autor com a própria sombra’ no livro Jean Christophe“ – publicada por Joaquim de Matos Pinheiro no diário ABC, de Luanda, em 21 de Dezembro de 1966 é um dos textos escolhidos para fazer parte desta compilação (Edições Cosmos, Livros do Brasil e Portugália Editora, 1967).

Você pode gostar também..

Um Portugues na Venezuela

MANUEL DE OLIVEIRA ​UM PORTUGUÊS NA VENEZUELA

Manuel de Oliveira é um português de Vilar do Andorinho, no concelho de Vila do Conde, que emigrou novo para a Venezuela é aí fez fortuna na área da construção civil, depois de ter experimentado, ao longo de anos muito difíceis, inúmeras outras profissões. O sucesso económico de Oliveira – que mais tarde estendeu a sua atividade das duas empresas a Portugal, sempre com o mesmo sucesso – andou de mãos dadas com alguns infortúnios, entre os quais ocupa lugar de destaque a morte de um filho, seu braço direito nos seus negócios. E andou a par, também, com a atividade social e cultural desenvolvida junto das associações portuguesas na Venezuela, em cujos quadros dirigentes tem ocupado, anos a fio, destacadas posições de liderança. Na sala de estar da sua casa de Vilar do Andorinho, que acolhe os seus anos de velhice e descanso, ocupa lugar de destaque um grande retrato seu, feito em Caracas, envergando casaca e ostentando, sobre o peito, as insígnias da comenda com que o Presidente da República Portuguesa, António Ramalho Eanes, reconhecendo-lhe os méritos pessoais, profissionais e de solidariedade que o ornam. Neste livro, Joaquim de Matos Pinheiro traça, em tons fortes, socorrendo-se, muitas vezes, das próprias palavras do biografado, um retrato muito fiel dessa vida longa e exemplar (S.E.E.C.P., 1983).

O Elo e a Corrente

O ELO E A CORRENTE

Três décadas depois de África – Poemas, editado em Angola em 1972 pela Editorial Culturang, Joaquim de Matos Pinheiro deu à estampa uma nova coletânea de poesia. Este novo livro – O Elo e a Corrente – é uma recolha de breves textos poéticos, escritos num registo intimista, quase familiar, que se desenvolve em torno de pessoas e de acontecimentos concretos, que marcaram de maneira impressiva os anos mais recentes da vida do autor. Agora, recolhidos em livro e ao serem partilhados com o leitor, é um facto que os poemas de O Elo e a Corrente alcançam horizontes mais abertos e ganham com isso mais vigor e mais vida (Livralto, 2002)

Africa Poemas

ÁFRICA POEMAS - Pedro Gens

Desde muito novo Joaquim de Matos Pinheiro publicou os seus poemas em diversos jornais e outras publicações, em Portugal e em Angola. Neste pequeno volume, editado sob o pseudónimo Pedro Gens, o autor reuniu um conjunto de poemas relacionados com África, o continente adormecido que inspirou muita da sua poesia e da sua prosa (Editorial Culturang, 1972).