OS AREAIS DO VENTO

O Areais do Vento

Quando se diz que a sociedade portuguesa acolheu no seu seio, sem dificuldades e nela absorveu admiravelmente essas centenas de milhar de portugueses retornados do antigo Ultramar Português, é muito difícil relacionar os acontecimentos de que eles foram involuntários protagonistas, com muitos dos problemas e das angústias que marcam, na atualidade, a vida de tantas dessas pessoas e de muitas das outras pessoas que, não tendo sido partícipes desse drama, com elas acabaram por se relacionar e conviver.

Construídas a partir do claro-escuro dessas realidades, as várias histórias que se cruzam bestas páginas têm, pois, um fundo verídico e emblemático (Edita-me, 2011).

Você pode gostar também..

Dias de Inverno

DIAS DE INVERNO

Ambientado na cidade da Maia, este livro aborda a problemática dos desempregados portugueses, numa altura em que o desemprego deixou de ser o vago fantasma de que até há pouco tempo as pessoas falavam, para se converter numa realidade dura, áspera e cada vez mais presente. Na versão atual, o desemprego não escolhe as suas vítimas e ninguém a ele está imune, seja pela idade, sexo, profissão, formação académica, experiência de vida, ou nível social...

Depois de Eu Morrer Todos Os dias São Meus

DEPOIS DE EU MORRER TODOS OS DIAS SÃO MEUS

- Mãe, o que é um jogral?

É esta inocente pergunta que desencadeia a história contada em Todos os Dias são Meus, saga familiar que passeia pelas últimas cinco décadas da vida de Portugal, tendo como ponto de partida a eclosão da guerra em Angola, em 1962. Depois de Memórias de um Tempo Claro, que retrata, de maneira sui-generis, a vida dos militares em campanha na antiga África portuguesa, e de Os Areais do Vento, que aborda a problemática dos retornados a Portugal e da sua integração no País...

Entre o Sono e o Sonho

ENTRE O SONO E O SONHO

A Antologia de Poesia Contemporânea que a Chiado Editora publica desde há alguns anos e com relativa regularidade, reúne poemas de diversos autores portugueses escolhidos pelo apurado critério do editor Gonçalo Nuno Martins. Para o volume II da edição de 2013 Gonçalo Martins escolheu o poema A Carta, de Joaquim de Matos Pinheiro, um breve e lúcido exercício do autor sobre a angústia, a perplexidade, a dúvida e a Morte (Chiado Editora, 2013).