CINZAS DE ABRIL

CINZAS DE ABRIL

Um discreto banqueiro portuense, apanhado no torvelinho da revolução dos cravos, acaba por se envolver nos movimentos contra-revolucionários que então se sucederam e, votados estes ao fracasso, vê-se forçado a sair do país.
Exilado em Espanha, primeiro, e no Brasil, a seguir, o protagonista deste meu recente romance evoca na primeira pessoa o complexo percurso da sua vida, ao longo das décadas seguintes, descrevendo os mais inesperados em que o amor, a política, o estigma racial, a segregação social e a desagregação familiar se misturam e estão na base de uma empolgante trama romanesca, que vale a pena conhecer.
“Cinzas de Abril”, cuja capa está aqui reproduzida, estará em breve à disposição dos leitores.

Você pode gostar também..

O Areais do Vento

OS AREAIS DO VENTO

Quando se diz que a sociedade portuguesa acolheu no seu seio, sem dificuldades e nela absorveu admiravelmente essas centenas de milhar de portugueses retornados do antigo Ultramar Português, é muito difícil relacionar os acontecimentos de que eles foram involuntários protagonistas, com muitos dos problemas e das angústias que marcam, na atualidade, a vida de tantas dessas pessoas e de muitas das outras pessoas que, não tendo sido partícipes desse drama, com elas acabaram por se relacionar e conviver. Construídas a partir do claro-escuro dessas realidades, as várias histórias que se cruzam bestas páginas têm, pois...

O Segredo do Teatro Baquet

O SEGREDO DO TEATRO BAQUET

O Teatro Baquet, uma bela de espetáculos que abrilhantou o Porto na segunda metade do século XIX, foi destruído por um incêndio que causou mais de uma centena de mortos, em 20 de Março de 1888. Além de gente anónima e de algumas pessoas cujos nomes de família fazem parte da história da cidade, também perdeu a vida neste incêndio a famosa mulher homem da Granja do Tedo, uma lendária figura feminina que alimentou as línguas maldizentes da cidade, antes de se transformar numa respeitável esposa e mãe, unida pelo matrimónio ao filho único de uma conhecida família atingida pela tragédia...

Depois de Eu Morrer Todos Os dias São Meus

DEPOIS DE EU MORRER TODOS OS DIAS SÃO MEUS

- Mãe, o que é um jogral?

É esta inocente pergunta que desencadeia a história contada em Todos os Dias são Meus, saga familiar que passeia pelas últimas cinco décadas da vida de Portugal, tendo como ponto de partida a eclosão da guerra em Angola, em 1962. Depois de Memórias de um Tempo Claro, que retrata, de maneira sui-generis, a vida dos militares em campanha na antiga África portuguesa, e de Os Areais do Vento, que aborda a problemática dos retornados a Portugal e da sua integração no País...